quinta-feira, 15 de outubro de 2009

Conclusão

Concluimos que:

A literatura:a Escrava Isaura,escrita por Bernardo Guimarães.
Escrita com romantismo e muito verdadeira.
História que relamente teve seu merecimento de se tornar novela.


É simplismente explendido este livro!


Equipe:Isabela Lima
Jéssica Lima
Natália Gonçalves

5 comentários:

  1. EU QUERIA SABER A QUESTÃO POLÊMICA DO LIVRO .

    ResponderExcluir
  2. não é isso que eu procuro para a minha conclusão do livro!

    ResponderExcluir
  3. A história se passa em uma fazenda em campos de goitacazes. Isaura é uma escrava branca e bem educada, mas é assediada pelo se senhor Leôncio, recém-casado com Malvina. Isaura se recusa a ceder aos apelos de Leôncio como já havia feito no passado. Para que Isaura o cedesse, manda ela pra trabalhar junto com as outras escravas, na senzala, mesmo assim Isaura aceita e suporta seu destino sem cedem a Leôncio afirmando que o mesmo era dono de seu corpo, mas não de seu coração e diz que seu coração é livre e que ninguém pode escravizá-lo nem mesmo o próprio dono, Leôncio enfurecido ameaça a colocá-la no tronco.
    É ai que seu pai ex-feitor consegue tira-la de lá e à leva para Recife, em Recife, Isaura assume uma outra identidade e passa a ser chamada de Elvira, com essa identidade Isaura conhece Álvaro, homem por quem se apaixona e é correspondida.
    Isaura vai a um baile no qual é desmascarada e reconhecida. Álvaro um pouco surpreso quase não acredita, mas quer evitar que Leôncio a leve de volta tentando comprá-la, mas não consegue vencer o vilão que leva Isaura novamente para a fazenda. Mas Leôncio esta falindo e para punir Isaura ele obriga a mesma a casar-se com Belchior porem Álvaro descobre a falência de Leôncio e torna-se proprietário de todos os seus bens inclusive Isaura.
    No dia do casamento de Isaura antes que se celebrasse a cerimônia, Álvaro aparece e reclama seus direitos a Leôncio. Vendo-se derrotado e na miséria, Leôncio suicida-se. Tudo termina, com a punição dos culpados e o triunfo dos justos.▼

    ResponderExcluir